Resenhas críticas: o que são e como fazê-las? Dicas definitivas para você escrever as suas | Guia Floripa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Resenhas críticas: o que são e como fazê-las? Dicas definitivas para você escrever as suas

Seu professor pediu que você escreva uma resenha crítica e você não tem a menor ideia de por onde começar? Você chegou ao lugar certo! Todos os dias, alunos de diversas áreas do conhecimento buscam na internet as melhores estratégias para fazer a resenha crítica de um filme ou a resenha crítica de um artigo. Você não está sozinho nessa.

O primeiro passo para elaborar esse tipo de material é compreender que você vai precisar escrever um texto crítico, não apenas fazer um resumo do que assistiu ou leu. Isso mesmo: você deverá fazer uma análise crítica da obra em questão, reunindo, além da sua opinião, outros argumentos coerentes advindos de referências acadêmicas, como um livro ou um artigo científico sobre o assunto a ser resenhado.

Seguir ou não a ABNT?

A ABNT considera que a resenha crítica pode ser chamada de resumo crítico. Alguns ainda a chamam de resenha acadêmica ou resenha temática. Lembre-se de conferir com o seu professor qual é a nomenclatura que ele adota e se ele espera que algo específico esteja presente na sua resenha crítica além do que é tradicional.

Apesar de muitos acreditarem que se trata de um gênero textual bastante livre, a resenha crítica deve seguir obrigatoriamente as orientações da ABNT. Todas as citações devem estar devidamente padronizadas segundo o manual mais recente de normas técnicas. É comum que seja exigida pelas universidades a estrutura padrão de trabalhos científicos, com capa, folha de rosto e referências bibliográficas.

O que sua resenha precisa ter

É crucial salientar o que a resenha crítica não é:

●      Não é um resumo (você não deve resumir a história e dar sua opinião no final);

●      Não é uma síntese (você não deve sintetizar em poucas frases aquilo que viu ou leu).

Para iniciar sua resenha crítica, tenha em mente que o mais importante é saber entrelaçar bem as suas ideias com as das referências que você pesquisou. Sua tarefa é fazer uma resenha argumentativa, levantando hipóteses sobre o tema, citando outros autores e fundamentando bem o seu ponto de vista com base neles. Não inclua somente autores com os quais você concorda; opte também por aqueles que têm teses opostas à sua e apresente motivos que deixem claro como a sua conclusão é fidedigna.

Ao mesmo tempo em que você precisa informar ao leitor do que se trata a obra analisada (pois, pode ser que ele não a conheça), suas palavras têm a finalidade de expor elementos positivos e negativos sobre essa obra, levando o leitor a uma reflexão profunda que ampliará a perspectiva dele sobre o mundo.

Não consegue se concentrar para escrever? O problema pode ser o ambiente

Muitos alunos, se não todos, têm dificuldade para colocar suas ideias no papel ao longo da vida. Isso não é diferente para quem está diante da missão de escrever sua primeira resenha crítica! Existem muitos elementos que podem impedir a concentração de um estudante. E por que isso acontece?

Nosso cérebro busca previsibilidade sempre, ou seja, ele quer um ambiente repleto de conforto, de maneira que ele não precise estar alerta o tempo inteiro, rastreando possíveis ameaças. Apesar do processo de evolução humana, nosso cérebro é ainda está programado para prestar atenção em pequenos ruídos que possam significar um perigo para nossas vidas.

Se você tenta estudar em um local em que há muitas pessoas falando, barulhos de obras, ou mesmo perto de uma fábrica, de uma linha de metrô ou dentro de um hospital movimentado, pode ser que seu cérebro fique exausto pela sobrecarga de impressões visuais, auditivas e até táteis que ele é obrigado a decodificar enquanto você estuda. O cérebro precisa de ambientes que estimulam os estudos.

Uma outra estratégia para deixar o seu cérebro mais receptivo aos estudos é não estudar na cama nem de pijama. Isso porque é um local que ele compreende como feito para… dormir! Será muito mais complicado aprender algo novo na cama do que sentado em frente ao computador e vestindo roupas que você usaria se estivesse de fato na sala de aula.

Fatores que ainda podem influenciar o seu foco são a temperatura e a iluminação. O local onde você estuda é muito frio? Muito quente? Recebe pouca luz solar ou luz solar demais? Esses são pontos que determinam quanto tempo você será capaz de ficar parado no mesmo lugar sem se sentir incomodado ou irritado.

Fique atento a como o seu corpo reage às variações de ambiente e tente adequar o seu local de estudos àquilo que você se sente mais confortável. Isso, sem dúvida, facilitará a sua capacidade de mergulhar em uma disciplina que exige senso crítico e produção textual. Um lembrete final: deixe o celular no modo silencioso! As notificações constantes são as maiores responsáveis por arruinar uma boa sessão de estudos.


PUBLICIDADE

Veja também



PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE