6 livros sobre feminismo para ler e entender alguns movimentos de mulheres que acontecem em Florianópolis | Guia Floripa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

6 livros sobre feminismo para ler e entender alguns movimentos de mulheres que acontecem em Florianópolis

A cidade de Florianópolis é mais do que reconhecida pelas belezas naturais, principalmente quando falamos das diversas praias que existem do norte ao sul da ilha. Entretanto, Floripa não é só isso, principalmente para as mulheres que buscam mais espaço e igualdade no Brasil. O crescimento do movimento feminista na região tem colocado a capital de Santa Catarina como uma referência neste assunto. Com um objetivo de dar voz às mulheres da ilha, o movimento quer acabar com as diferenças salariais e a falta de oportunidades para o gênero feminino.

O movimento feminista é uma pauta que a cada dia vem conseguindo mais espaço, mostrando suas transformações e ganhando o mundo. Em março deste ano, por exemplo, o portal NSC cobriu uma marcha de mulheres em Florianópolis no Dia da Mulher. Entretanto, o feminismo não é apenas uma ideia a ser aplicada pelo que entendemos ou o que acreditamos que sabemos. É importante que toda mulher se informe, debata e repense o assunto para, assim, se conhecer melhor e encontrar a própria voz. Pensando nisso, fizemos uma lista de livros que podem servir de fonte de inspiração para todas as mulheres. São algumas dicas de leitura para quem quiser aproveitar as paisagens de Floripa, seja na praia ou na cidade, para aprofundar o conhecimento a respeito deste movimento tão importante.

1. Sejamos Todos Feministas, de Chimamanda Ngozi Adichie
Fonte: Companhia das Letras

Considerado um dos livros mais importante de 2014 pelo jornal britânico The Telegraph, essa obra é um pequeno ensaio de Chimamanda Ngozi Adichie, autora nigeriana que já escreveu, pelo menos, outros três livros na temática feminista. O portal Fala Universidades conta que o conteúdo foi adaptado de uma palestra da autora para o TED Talks, que é um ciclo de conferências destinadas à disseminação de ideias. Adichie conta a própria experiência como mulher negra e aponta os problemas do machismo na África, assim como o estereótipo ocidental sobre o continente africano. Sejamos Todos Feministas é um livro com o qual muitas mulheres vão se identificar, visto que explica a importância da participação dos homens no movimento feminista. Adichie aponta que a luta pelo direito das mulheres, e uma igualdade com os homens, é um desafio de todos.


2. Deusas: Os Mistérios do Divino Feminino, de Joseph Campbell e Tonia Van Acker

A imagem da mulher é um debate importante e tem ganhado força recentemente. A artista plástica e escritora Rute Cardoso trouxe sua própria perspectiva a respeito do tema em sua exposição Cor em Movimento. A ideia é mostrar como a força feminina é divina, algo que podemos comprovar ao observar a importância das deusas na história antiga. A presença e a imagem da mulher na mitologia é justamente o tópico principal deste livro escrito por Joseph Campbell e Tonia Van Acker. Os autores fazem uma ligação entre os arquétipos das deusas e as nossas vidas cotidianas, tratando de aspectos emocionais e psicológicos com os quais toda mulher costuma entrar em contato. É interessante perceber como as figuras de Ártemis, Afrodite e Atenas simbolizam respectivamente aspectos como independência, amor e sabedoria, e é nessa linha que o livro transcorre. Estudar mitologia é uma boa forma de se conhecer, visto que os mitos e a figura dos deuses e deusas têm como função discorrer sobre aspectos humanos e os valores que são realmente importantes na vida. Não é à toa que este é um tema profundamente explorado pela indústria do entretenimento, com filmes como Fúria de Titãs (2010) e Percy Jackson, como mostra a lista criada pelo portal Legião dos Heróis. Outro setor que explora o tema é o dos jogos online. O site da Betway Cassino Online possui caça-níqueis temáticos e, entre eles, está Golden Goddess, que é inspirado na figura da deusa Afrodite e na mitologia grega como um todo. Ainda no universo dos jogos, outra referência é o sucesso da franquia God of War. Os oito títulos produzido pela Santa Monica Studio, podem até ter como protagonista um homem, mas o foco da história passa por algumas das deusas mais importantes da história.

3. Mulheres, Raça e Classe, de Angela Davis

Considerada a obra mais importante de Angela Davis, neste livro a autora aborda o feminismo em sociedade, especialmente no que se refere à mulher negra e à sociedade capitalista. Por meio de uma visão crítica, Davis não foca apenas no presente, mas traça um panorama histórico das conexões entre capitalismo, feminismo, racismo e escravidão, que é o ponto a partir do qual ela começa a tecer a narrativa. "Viajando" do passado até os dias atuais, o livro mostra que, apesar da abolição da escravidão, ainda há muito a ser feito para a implementação de um modelo social mais justo, levando em conta a situação da mulher contemporânea e os dilemas enfrentados pelo gênero feminino.

A importância de ler Angela Davis nos dias atuais é cada vez maior. Com mais de 60 anos na luta pelos direitos da mulher, a norte-americana é uma das vozes mais importante da atualidade. O movimento feminista nos Estados Unidos com discursos que explicam a importância de conectar as mulheres, a raça e a classe em uma mesma luta. Os livros da autora são igualmente importantes e servem para entender melhor a base de conhecimento de Angela Davis.

4. Problemas de Gênero: Feminismo e Subversão da Identidade, de Judith Butler

Judith Butler aborda nesta obra um outro tema muito pertinente para o feminismo: a questão da identidade. Para além dos problemas sociais enfrentados cotidianamente pelas mulheres, a autora aborda também a noção de identidade, que, segundo ela, é essencial para que a liberdade feminina seja atingida. De acordo com a autora, é importante pensar na ideia de identidade no plural, e não no singular, pois é através desse conceito que se dá significado ao "o que é ser mulher". É a partir desse entendimento que se torna possível subverter a identidade de mulher.

Para pontuar sua visão, Butler se debruça em nomes como Michael Foucault para repensar os conceitos feministas. O tema é bastante atual e ganhou ainda mais evidência este ano, principalmente com o lançamento do filme Quem precisa de identidade?. A produção dirigida por Kátia Klock e Márcia Navai aborda o mesmo tema, mas com um viés do preconceito racial. Uma dica nossa é ficar de olho nos conteúdos promocionais do Festival de Cinema Florianópolis Audiovisual Mercosul, que costuma contar com a presença de filmes com temáticas como essa. Ler o livro de Butler é se aprofundar de um tema que ganha cada vez mais discussão, além de ser fundamental para entender melhor o pensamento feminino emancipado.

5. O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir

Esse clássico escrito por Simone de Beauvoir, uma das precursoras do movimento feminista, foi escrito décadas atrás e ainda continua tendo importância ímpar na sociedade contemporânea. A leitura é densa, mas muito relevante no sentido do pensar a respeito do que é ser mulher. A autora analisa o papel da mulher na sociedade e argumenta por que ela é vista como o segundo sexo, aquela que vem em segundo lugar tanto por questões históricas quanto sociais.

Simone de Beauvoir dispensa apresentações e é uma das autoras mais importantes da história da literatura. É ainda mais importante quando o assunto é feminismo, tendo escrito mais de 10 livros sobre o tema. Entretanto, caso seu desejo seja mergulhar no universo da escritora, vale a pena se aventurar também em um curso de língua francesa como forma de ler os livros originais e compreender de maneira empírica a escolha de palavras que a autora fazia para abordar esses delicados e importantes temas. Em nosso site temos uma seção relacionada a cursos de idiomas que talvez seja de grande ajuda nesse sentido.

6. Razão e Sensibilidade, de Jane Austen

Por fim, uma sugestão ficcional. Clássico da literatura inglesa, essa obra de Jane Austen conta a história de duas irmãs que são muito diferentes entre si e que devem lidar com a obrigatoriedade do casamento numa sociedade patriarcal. Enquanto uma é romântica e sentimental, a outra é racional, o que pode ser interpretado como um aspecto dicotômico que permeia a vida de muitas mulheres. A narrativa vai apresentando o comportamento das irmãs perante as situações e a forma como cada uma lida com seus sentimentos.

Gostou das sugestões? Essas são apenas seis indicações, em um universo recheado de autoras que abordam o tema de maneira profunda e eficiente. A leitura é um dos hábitos mais saudáveis, principalmente para agregar mais conhecimento em temas tão importantes, como é o movimento feminista. Por isso, um desses livros podem ser um bom companheiro na próxima visita até a Lagoa da Conceição ou a alguma praia de Floripa.


PUBLICIDADE

Veja também

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE