5 fatos sobre a Trilha Inca, uma das melhores rotas de trekking da América | Guia Floripa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

5 fatos sobre a Trilha Inca, uma das melhores rotas de trekking da América

Caminho dos Incas

O Qhapac Ñan foi a antiga rede de estradas que interconectava os Andes peruanos. Também conhecida como Trilha Inca, esta rota fundamental de trilhas para Machu Picchu mantém essa importância até hoje, depois de se tornar uma atração turística para os amantes do trekking: aventura e natureza andam de mãos dadas nesta fabulosa jornada, adequada para adultos e crianças.

Se você estiver interessado em percorrer esta rota, descubra 5 fatos sobre a Trilha Inca, para que sua viagem pelas terras de Cusco seja rentável e única.

Planejando com antecedência

A primeira ação essencial a ser tomada na Trilha Inca é separar antecipadamente seus bilhetes de entrada. A alta demanda para percorrer estas rotas é tal que você tem que reservar suas passagens com pelo menos cinco a seis meses de antecedência, aproximadamente.

Como informações adicionais, as taxas de admissão variam de 2400 a 2550 soles para adultos e 2330 a 2400 soles para crianças (3 a 17 anos de idade). Você pode fazer um pagamento antecipado de 500 soles e o restante antes de fazer a viagem. Estes preços não incluem as acomodações. Crianças menores de 3 anos entram gratuitamente quando acompanhadas por um adulto

Escolha entre duas opções

A Trilha Inca tem duas rotas. O clássico, de 4 dias e 3 noites, cobre 43 quilômetros de trekking, onde você caminhará de Cusco - Wayllabamba (13 quilômetros), Wayllabamba - Pacaymayo (11 quilômetros), Pacaymayo - Wiñay Huayna (16 quilômetros) e Wiñay Huayna – Machu Picchu (3 quilômetros).

A trilha curta, de 2 dias e 1 noite, vai do quilômetro 104 da ferrovia Ollantaytambo até Aguas Calientes (11 quilômetros), para visitar o Santuário Histórico de Machu Picchu no dia seguinte. A primeira das rotas é orientada para pessoas com experiência em trekking. A segunda, um pouco mais suave, pode ser suportável mesmo que você não tenha experiência neste tipo de caminhada

Quando ir e o que levar

A melhor época para caminhar na Trilha Inca é de maio a setembro, pois esta é a estação seca em Cusco. De novembro a março é verão em Cusco, por isso chove constantemente e não é aconselhável fazer a viagem, pois o piso escorregadio dificulta a caminhada. Durante o mês de fevereiro, são realizados trabalhos de manutenção.

Quais itens são essenciais para sua visita? Leve um bolso leve - para carregar um saco de dormir -, água engarrafada, uma capa de chuva, óculos de sol, artigos de higiene pessoal e de primeiros socorros. Para tornar o passeio mais tranquilo, uma bengala é muito útil.

Reconhecida mundialmente

A Trilha Inca é considerada por especialistas como a melhor rota para caminhadas na América do Sul. Suas paisagens, acesso e organização fazem dela uma das 5 melhores rotas de trekking do mundo. Isso mesmo: a Trilha Inca compartilha esta importante distinção com as conhecidas trilhas do Himalaia (Índia), GR20 (França), País Dogón (Mali) e o Campo Base do Everest (Nepal).

Arqueologia deslumbrante

A Trilha Inca não é apenas ar fresco, esporte e natureza. É também conhecimento. O objetivo é a Porta do Sol de Machu Picchu. No entanto, ao se dirigir para o ponto final da trilha, você descobrirá outros sítios arqueológicos e santuários. Recintos como Runkurakay, Saycamarca, Phuyupatamarca e Wiñaywayna e as ruínas de Llactapata irão surpreendê-lo a tal ponto que você sentirá exatamente o que os Incas perceberam séculos atrás.


PUBLICIDADE

Veja também

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE