Ribeirão da Ilha | Bairro de Florianópolis | Guia Floripa
PUBLICIDADE

Ribeirão da Ilha

Ribeirão da Ilha - Bairro de Florianópolis

Freguesia do Ribeirão da Ilha
Freguesia do Ribeirão da Ilha

Fotos de Florianópolis

Região: Sul da Ilha
Bairros próximos: Bairro da Tapera (4,8 km) | Bairro do Campeche (10 km)
Praias próximas: Praia do Ribeirão da Ilha | Praia da Tapera (norte)| Praia do Morro das Pedras (leste)| Praia de Naufragados (trilha sul)
Distâncias: Centro e Rodoviária 22 km | Aeroporto 10 km
Encontre também: esportes náuticos, pescaria, maricultura, arquitetura colonial, via gastronômica.

Mapa Localização Praia do Ribeirão da Ilha

O bairro Ribeirão da Ilha está localizado no sudoeste da Ilha de Santa Catarina, a 22,7 km do centro de Florianópolis, entre os bairros Tapera, Campeche e Pântano do Sul. O Ribeirão da Ilha também é um distrito administrativo de Florianópolis e sua área abrange cerca de 51,54 km², se estendendo desde a Praia de Naufragados, no extremo-sul da Ilha, até a foz do Rio Tavares, na divisa com o bairro Costeira do Pirajubaé.

Apesar de ocupar boa parte da porção sul da ilha, o bairro, propriamente dito, está concentrado ao longo dos 21,8 km de extensão da via principal, a Rodovia Baldicero Filomeno, que começa no Trevo do Erasmo, entroncamento com Rodovia SC-405, e se estende até o extremo-sul da ilha, na localidade da Caieira Barra do Sul.

Freguesia do Ribeirão da Ilha
Freguesia do Ribeirão da Ilha

Por causa da distância do Centro, o Ribeirão da Ilha ainda mantém as características simples e modestas, com ares de interior e costumes de origem açoriana. É um bairro-dormitório, que preserva a qualidade de vida. Não existem prédios e a maioria das residências, principalmente as próximas ao núcleo histórico, ainda mantém as características da arquitetura colonial.

Ribeirão da Ilha

O comércio no bairro é limitado às necessidades essenciais de seus moradores, com mercados, farmácias, padarias, lojas de material de construção, entre outras. Contudo, é no quesito gastronomia que ele se destaca. Ao longo da via principal concentra-se um grande número de bares e restaurantes de frutos do mar, onde se pode degustar os principais produtos produzidos na região: ostras e mariscos.



A vida no Ribeirão da Ilha é pacata e bucólica. O principal lazer é o mar, mas existe um clube local, o Canto do Rio, onde acontecem bailes e pequenos shows.

Com uma extensa orla formada por pequenas praias, o Ribeirão da Ilha é o destino certo para aqueles que buscam paz e muito contato com a natureza. No ponto mais extremo ao sul do bairro parte uma das mais famosas trilhas de Florianópolis, que liga a localidade da Caieira da Barra do Sul à Praia de Naufragados.

Praia de Naufragados
Praia de Naufragados

Para os amantes da cachaça e da aventura, uma boa dica é degustar a "marvada" produzida no Alambique do Zeca. Mas para se chegar lá é necessário uma boa dose de coragem para encarar a estrada, que liga a localidade ao Pântano do Sul através do Sertão do Peri. Outra boa pedida - e com acesso mais fácil - é provar a Intizica, uma cachaça comercializada pelo restaurante Ostradamus.

História

As primeiras expedições europeias a aportarem na Ilha de Santa Catarina escolheram o Ribeirão da Ilha como ponto de desembarque por se tratar de uma área protegida de ventos mais fortes. O nome dado ao bairro veio de um pequeno rio situado em frente à Ilha Dona Francisca, ao qual os indígenas - que já habitavam a região há pelo menos 2.000 anos – deram o nome de “ribeiracô”.

Os primeiros navegadores chegaram ao Ribeirão da Ilha por volta de 1506. Vinte anos mais tarde, Sebastião Caboto, navegador veneziano a serviço da coroa espanhola, atravessou o Oceano Atlântico e, conforme relatos, foi no porto de Ribeirão que ele ancorou. Segundo os cronistas da expedição, Caboto considerou a população nativa "dócil", razão pela qual deu início à construção de um acampamento em terra, tendo erguido, inclusive, uma igreja.

Ribeirão da Ilha

Ao longo de quase dois séculos, a localidade praticamente desapareceu das crônicas e dos relatos de viajantes que passavam pela Ilha de Santa Catarina. Apenas em 1712 que o Ribeirão da Ilha voltaria a ser registrado, dessa vez no escritos e esboços de Amédée François Frézier, engenheiro militar francês que fez um estudo com a intenção de elaborar um mapa de parte do que viria a ser a costa catarinense.

Alguns anos mais tarde, entre 1748 e 1756, é que ocorreu a efetiva colonização da Ilha de Santa Catarina com o desembarque de cerca de seis mil açorianos e madeirenses. Alguns autores contam que cerca de cinquenta casais estabeleceram-se no Ribeirão da Ilha, onde passaram a produzir alimentos tanto para sua subsistência quanto para garantir o sustento das tropas concentradas na Fortaleza de Araçatuba.



Após o período de mudança e adaptação dos novos moradores ao Ribeirão da Ilha, chega à região Manoel de Valgas Rodrigues, que manda construir uma capela para o abrigo de uma imagem de Nossa Senhora da Lapa. É a partir deste evento que a freguesia receberia, mais tarde, o nome de Nossa Senhora da Lapa do Ribeirão. Já a capela construída por Valgas Rodrigues seria substituída por uma igreja feita de pedra.

Igreja Nossa Senhora da Lapa no Ribeirão da Ilha

Com o passar do tempo, a agricultura firmou-se como a atividade principal dos moradores do Ribeirão da Ilha. Eles plantavam, entre outras coisas, mandioca, milho, cana-de-açúcar, feijão, café e linho. O café produzido ali era considerado, inclusive, um dos melhores do Brasil. Já o linho servia como matéria-prima para a confecção das redes utilizadas na pesca artesanal. Outra atividade de destaque na comunidade era a pesca da baleia.

A necessidade de escoamento dessa produção fez com que a localidade chegasse a ter três portos em pleno funcionamento. Esses portos também eram os principais responsáveis pela comunicação entre o Ribeirão e a vila central, já que a navegação costumava ser mais fácil que o acesso por vias terrestres. Na Ilha de Santa Catarina, em particular, essa dinâmica se manteria por muitos anos em função da abundância de morros, mangues, rios e florestas.



Porém, com a chegada do século XX, essa dinâmica passaria por profundas transformações. Com a inauguração da Ponte Hercílio Luz, em 1926, o transporte terrestre passou a ser valorizado em detrimento do transporte marítimo, o que eventualmente ocasionou o declínio não apenas dos portos existentes no Ribeirão da Ilha, mas também de suas atividades econômicas. Isso fez com que a região entrasse em um verdadeiro período de estagnação.

Apenas na década de 1970, com a modernização do conjunto urbano de Florianópolis, é que o Ribeirão da Ilha voltou ao centro das atenções. O aterro da Baía Sul facilitou o acesso ao bairro, o que atraiu novos visitantes e moradores. Consequentemente, grande parte dos nativos passou a dedicar-se às atividades relacionadas ao turismo. Houve também um incentivo, por volta da mesma época, ao cultivo de moluscos marinhos.

Ribeirão da Ilha - Maricultura
Ribeirão da Ilha - Maricultura

O relativo isolamento a que o Ribeirão esteve submetido fez com que muitas das características culturais de seus habitantes permanecessem praticamente as mesmas até os dias de hoje. Destacam-se as festas religiosas como a de Nossa Senhora do Divino Espírito Santo e a de Nossa Senhora da Lapa, a produção das rendas de bilro e também as apresentações do Boi de Mamão e do Pau de Fita.

Localização do Ribeirão da Ilha:

Localização do Bairro Ribeirão da Ilha

Conheça mais Bairros da Região Sul de Florianópolis

Bairros da Região Sul de Florianópolis
  1. Armação do Pântano do Sul
  2. Campeche
  3. Carianos
  4. Costeira do Pirajubaé
  5. Pântano do Sul
  6. Ribeirão da Ilha
  7. Rio Tavares
  8. Tapera

Veja bairros de outras regiões de Florianópolis:

Informações nessa seção:


PUBLICIDADE


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE