PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Coqueiros

Localizado na parte continental de Florianópolis, junto ao estreito que separa a Ilha do Continente, Coqueiros é um dos bairros mais charmosos e com a mais bela vista da Baía Sul. Distante apenas 3 km do Centro, Coqueiros é dono de uma das melhores infraestruturas urbanas da cidade. Com pouco mais de 13.263 habitantes, o bairro possui escolas, delegacia de polícia, posto de saúde, diversas agências bancárias, farmácias, supermercado e ampla variedade comercial. O bairro é o único na região continental onde há duas extensões de cursos superiores de instituições públicas. Na cabeceira da ponte Pedro Ivo Campos está instalado o curso de Gastronomia do Instituto Federal de Santa Catarina (Ifsc) e na rua Pascoal Simone está o Centro de Ciências da Saúde e do Esporte da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). Coqueiros também é bastante rico no quesito lazer e diversão ao ar livre. Próximo à entrada do bairro fica o Parque de Coqueiros, com ciclovia, pistas para caminhada, lago, parquinho infantil com brinquedos, um imenso gramado, quadras de futebol de areia, campo de futebol suíço, quadra de vôlei de praia, quadra de basquetebol, banheiros e um estacionamento para mais de 750 veículos. Todos os anos o parque sedia o Festival da Primavera, com atrações artísticas e de lazer. Outra opção são as três praias. Na primeira, do Rizzo, a faixa de areia é pequena. Nas outras duas, da Saudade e do Meio, as faixas de areia são maiores. A orla de ambas é urbanizada, com calçadão para caminhada e, aos domingos, parte da via é utilizada como ciclo faixa para os ciclista. Apesar do mar calmo, com águas mornas e convidativas ao banho, em vários pontos da orla o uso é desaconselhável por conta dos pontos de poluição. Para ver essa informação basta acessar o relatório de balneabilidade. Por outro lado, é nesta região que está a via gastronômica, um conjunto de restaurantes que mesclam vários tipos de especialidades, variando desde oriental, especialmente chinesa e japonesa, até massas, pizzas, grill e, como não poderia deixar de ser, frutos do mar. A única opção de casa noturna no bairro é o famoso Bar Trintão, na Praia da Saudade, lugar que reúne os nostálgicos e amantes dos sucessos de outrora.

História
O nome de Coqueiros é uma referência direta à árvore homônima, já que os coqueiros que ali existiam costumavam identificar a área em outros tempos. Um fato bastante curioso a esse respeito é que, por viverem em um bairro cujo nome está no plural, vários dos moradores de Coqueiros têm o hábito de dizer que moram “nos Coqueiros”. Por muito tempo, a localidade pertenceu ao município de São José. Um dos primeiros registros a respeito de Coqueiros data do fim do século XVIII, quando o governador da Capitania de Santa Catarina divulgou um relatório que apresentava os melhores locais para a produção de alguns gêneros alimentícios. No entanto, a ocupação efetiva da região só aconteceu no século XIX, com a construção da primeira cruz e, posteriormente, da primeira capela. Ainda no século XIX, Coqueiros passou a receber a visita de lanchas movidas a vapor, que realizavam o transporte entre Ilha e Continente. Tamanha modernidade contrastava fortemente com o modo de vida dos habitantes do pequeno povoado, que viviam basicamente da agricultura e da pesca, acreditavam nas histórias fantásticas contadas por seus antepassados e tinham nos eventos promovidos pela igreja um importante meio de sociabilidade. Ao longo do século XX, o mar ganhou ainda mais importância em Coqueiros. Em 1907, a Escola de Aprendizes Marinheiros mudou-se para a região, ocupando o antigo prédio que, no passado, havia sido a Hospedaria dos Imigrantes e, mais recentemente, abrigou a Secretaria de Turismo de Florianópolis. Já na década de 1920, com a construção da ponte Hercílio Luz, tanto a praia de Coqueiros quanto outros balneários do continente caíram na graça das famílias abastadas de Florianópolis como áreas favoráveis ao lazer. Isso fez com que a região ganhasse um novo cais em 1928. Durante a década de 1930, surgiram em Coqueiros diversas estruturas e estabelecimentos ligados a esse universo, como trapiches, trampolins, clubes e restaurantes. Nesse período, muitas famílias construíram suas residências de veraneio por ali também. Por outro lado, a construção da Ponte Hercílio Luz fez com que as travessias de barco entre Ilha e Continente praticamente se extinguissem. Em uma viagem ao Rio de Janeiro, o interventor federal Nereu Ramos teve contato com uma pesquisa que apontava Florianópolis como uma das três menores capitais brasileiras. Assim que voltou para a cidade, sua primeira atitude foi formar uma comissão para a revisão territorial de Santa Catarina. O resultado dessa comissão foi o decreto nº 951 de 1944, que anexou os bairros de Estreito, Capoeiras, Itaguaçu, Abraão e Coqueiros à capital. Os balneários do continente permaneceram como os favoritos dos moradores de Florianópolis até a década de 1960. Contudo, alguns fatores contribuíram para o comprometimento dessa posição: a poluição que atingiu as praias próximas ao centro da cidade, a inauguração da Ponte Colombo Salles e a construção de estradas que facilitaram o acesso ao interior da Ilha de Santa Catarina. Da década de 1970 em diante, o que se pôde constatar foi um verdadeiro fenômeno de especulação imobiliária, tanto em Coqueiros quanto nos bairros vizinhos. Consequentemente, houve também um acelerado processo de urbanização, onde os humildes ranchos de pescadores e os antigos casarões de veraneio passaram a conviver com loteamentos residenciais de alto padrão.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE